1º Internacional de Adestramento 2018 tem vitórias de Giovana Pass e Sarah Waddell

Giovanna Pass com seu Zingaro de Lyws: mais um índice para o Mundial 2018 (Wilson Spinardi Junior)

Giovana Pass, amazona olímpica foi a campeã do Grand Prix e Grand Prix Fresstyle no Concurso de Dressage Internacional (CDI3*), entre 27 e 29/4, Tatuí (SP), registrando seu 3º índice rumo aos Jogos Equestres Mundiais 2018. Sarah Waddell garantiu três vitórias na Small Tour.

Caçula da equipe de Adestramento nos Jogos do Rio 2016, Giovana Pass montando o Lusitano Zíngaro de Lyw foi o destaque do Big Tour do CDI3* do 3º IRDM – International Riding & Dressage Meeting. A amazona paulista de 22 anos venceu as duas provas que participou: no Grand Prix, em 27/4, válido como qualificativa para os Jogos Equestres Mundiais, registrou a nota média final de 68,239% e 68,804% com o juiz FEI 5*Peter Holler, da Alemanha. O resultado garantiu o terceiro índice do conjunto para o Mundial. No domingo, 29/4, no Grand Prix Freestyle, Giovana e Zíngaro voltaram a ocupar o primeiro lugar do pódio com 71,875% de nota na avaliação final e 75,125% com Holler, a maior nota atribuída pelo juiz na competição.

O vice-campeão do GP Freestyle foi Mauro Pereira Silva Junior com o Brasileiro de Hipismo Banzai AMM com nota média final de 68,105%. O juiz alemão atribuiu ao conjunto a nota 70,875%. O conjunto também disputou o Grand Prix na sexta-feira (27), quando terminou em 3ª lugar com 65,087%, não atingindo o índice mínimo de 66% estabelecido pela Federação Equestre Internacional (FEI).

Vencedores do GP Freestyle com juízes e dirigentes (ABCCH e CBH - divulgação)Vencedores do GP Freestyle com juízes e dirigentes (ABCCH e CBH - divulgação)Giovanna Pass com seu Zingaro de Lyws: mais um índice para o Mundial 2018 (Wilson Spinardi Junior)Sarah Waddell com Quixote Bojangles: três vitórias na Small Tour (Wilson Spinardi Junior)Bons resultados Luiza Almeida com Baluarte do Vouga (Carola May)Pedro Almeida e Aoleo: 1º índice para o Mundial (Carola May)
Vencedores do GP Freestyle com juízes e dirigentes (ABCCH e CBH – divulgação)
Vencedores do GP Freestyle com juízes e dirigentes (ABCCH e CBH – divulgação)
Giovanna Pass com seu Zingaro de Lyws: mais um índice para o Mundial 2018 (Wilson Spinardi Junior)
Sarah Waddell com Quixote Bojangles: três vitórias na Small Tour (Wilson Spinardi Junior)
Bons resultados Luiza Almeida com Baluarte do Vouga (Carola May)
Pedro Almeida e Aoleo: 1º índice para o Mundial (Carola May)

Outro destaque do Big Tour foi Pedro Tavares de Almeida que montando o Lusitano Aoleo foi o vice-campeão do Grand Prix registrando 67,978% na nota média final e 69,565% com Peter Holler, garantindo o primeiro índice para o Mundial. O conjunto voltou à pista no sábado (28), para vencer no Grand Prix Special com a nota média final de 67,447%.

Sarah Waddell domina a Small Tour

Outra disputa concorrida no CDI3* do IRDM em Tatuí foi o Small Tour, com vitória da medalhista panamericana Sarah Waddell montando Quixote Bojangles que venceu as três provas. No Prix St. George, realizado na sexta-feira (27) e válido como qualificativa para o Sul-americano da Argentina, em novembro, o conjunto foi o campeão com a nota média final de 69,909%; na Intermediária I, no sábado (28), atingiu 70,206%; e no domingo (29), na Intermediária I Freestyle terminou sua apresentação com a nota média final de 72,550%.

A três vezes olímpica Luiza Tavares de Almeida com sua nova montaria, o Lusitano Baluarte do Vouga, foi vice-campeã nas três provas: no Prix S. George fechou com 66,697%; na Intermediária I com 67,088% e na Intermediária I Freestyle 69,605%.

Outros três conjuntos formados com cavalos Lusitanos estrearam no Small Tour: Yara Amaral Fernandes montando Dileto HI ficou em 3º lugar no Prix St. George (66,152%); Rodrigo Evangelista com Colosso do Azeredo ficou em 3º lugar na Intermediária I (65,794%) e na Intermediária I Freestyle (68,250%); e Victor Trielliu Ávila com Al Pacino Comando SN ficou em 4º nas três provas: Prix St. George (65,212%), Intermediária I (65,676%) e Intermediária I Freestyle (67,455%). A Small Tour já valeu como observatória para o Sul Americano da categoria Senior 2018 em novembro, na Argentina, que qualifica o país para os Jogos Pan-americanos 2019.

O júri do CDI3* em Tatuí foi formado por Peter Holler (5*), da Alemanha, Carlos Lucas Lopes (4*), de Portugal, Sandra Smith de Oliveira Martins (4*), da Argentina, Cláudia Mesquita (4*), do Brasil; e Max Piraino Lyon (3*), do Chile.

Novos conjuntos e expectativas

O CDI foi marcado pela estreia de diversos novos conjuntos como Yara do Amaral e Dileto, Victor Trielli Avila e Signo dos Pinhas e Al Pacin, Micheline Schulze com Brentina e Matisse, Sarah Waddell e Boujangles. “Vimos conjuntos muito interessantes, tivemos a oportunidade de conversar com os cavaleiros sobre a necessidade de formar uma equipe capaz de obter 70% nas seletivas do Campeonato Sul-americano em Buenos Aires em novembro afim de classificar o Brasil para os Jogos Pan-americanos 2019 no Peru”, ponderou a juiza Sandra Smith de Oliveira Martins, também diretora da CBH.

“Os atletas estão animados, trazendo novos cavalos e isso é muito importante para o adestramento. A presença do presidente da CBH Ronaldo Bittencourt Filho foi muito importante para essa motivação e comprometimento dos cavaleiros em busca dessa excelência”, acrescentou a dirigente.

“Para os Jogos Equestres Mundiais 2018, Pedro Almeida e Aoleo conseguiram seu primeiro índice e Mauro Pereira Junior com Banzai ficou muito próximo de consegui-lo. Giovana com Zingaro venceu as duas provas com qualidade, mantendo os índices feitos no ano passado e nos Jogos Olímpicos”, destacou Sandra. “A ABPSL, por intermédio do seu presidente Ismael Gonçalves e a anfitriã Dra Clelia Araújo Pinto estão de parabéns pelo evento e ele possa se repetir todos os anos, trazendo alegria e vida para o adestramento.”

O próximo CDI3* em solo nacional acontece entre 5 e 8/7 na Sociedade Hípica Paulista. O CDI3* de Tatuí fez parte das atrações do 3º IRDM – International Riding & Dressage Meeting, contou com organização conjunta da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) e Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Puro sangue Lusitano (ABPSL) e chancela da Federação Equestre Internacional (FEI).

Fonte: Imprensa CBH com Rute Araújo