Tratador, essa figura “controvertida” na vida do proprietário

Tratador do seu cavalo

A preocupação com seu cavalo é uma constante em um proprietário leigo, quando ele vê que o tratador está feliz e gosta do seu cavalo, tudo fica mais tranquilo, do contrário, fica sempre uma pontinha de preocupação, em fim, falar do tratador do seu cavalo é sempre um tema complicado.

Tive muito poucos tratadores “não competentes” ao longo dos anos, por outro lado tive alguns extremamente profissionais no trato, conhecedores das atividades e responsáveis, também tive outros nem tão experientes, mas compensavam pela dedicação aos meus cavalos e a vontade de aprender, gosto muito desse perfil.

Quando percebia que o cara não se “encaixava” solicitava logo trocar ou trocava de hípica, mas também posso contar casos de que o próprio cavalo deu a sua opinião.

Temos um cavalo chamado Biscoito, ele realmente tem uma personalidade “forte”, um cavalo é um animal de fuga pois é uma presa, esse nasceu inverso, é “caçador”.

Não mais que uma vez, ele deixou claro que o tratador não era bom, como? Simples com um belo coice, o que poderia parecer maldade, mas não era, pois foram só com tratadores específicos e constatado que não eram de boa qualidade no trato.

Tenho outro cavalo, o Vergano, que acusa quando está sendo tratado de forma errada, mas não reage. Infelizmente tem muitos tratadores que gostam de bater na cabeça do cavalo, no caso do Vergano, é simples, basta fazer carinho, se ele virar a cabeça, tenho que trocar o tratador.

Uma outra experiencia interessante que tive, foi em uma hípica pequena onde foi contratado um tratador “maravilhoso”, ele não trabalhava os meus cavalos, pois já tínhamos o nosso.

Mas uma coisa me intrigava, como ele estava lá! Eu e minha filha (ela não é leiga) comentávamos o fato e passamos a observá-lo com mais atenção, até o dia que vimos ele batendo em um cavalo dentro da baia. É claro que fui dedo duro, adoro cavalos e sou contra maus tratos, o administrador passou a observar e dito e feito, achamos o defeito.

Tratador de verdade pode até não ser o mais bem treinado para a função, mas ele tem que gostar do que faz e gostar dos cavalos, tem que entender o animal e seus sinais.

Entender os sinais do cavalo? Sim, fundamental para que possamos agir rapidamente quando o cavalo começa a demonstrar algum problema.

Normalmente meus tratadores conhecem tão bem meus cavalos que ao menor sinal nos avisam, chegam a passar o dia só cuidando deles, caminhando, aplicando medicamentos, gostam do que fazem.

O fato é, no mundo do cavalo, existem poucos bons profissionais trabalhando como tratadores, em especial, quando estamos em hípicas menores.

Minhas dicas:

1. Observar as reações do cavalo, se está diferente, observe o tratador

2. Observe o trabalho do tratador e compare com outros que você já viu trabalhando

3. Se você é mais leigo que eu então converse com a turma mais velha da sua hípica, e vai uma dica, veja quem é o tratador do proprietário mais experiente, provavelmente esse é o cara

4. Ver como o gerente da hípica administra, tem locais que o tratador pode até não ser o melhor, mas o administrador compensa

5. Trate sempre bem o seu tratador, ele vai passar muitas horas com seu cavalo sem você estar perto

6. Veja quem substitui o seu tratador, afinal ele tem folga semanal ou o que é comum “problemas”, portanto o substituto também é importante

7. Veja se a hípica tem um tratador experiente que possa passar conhecimento aos outros, e que demonstre disposição para isso

Em resumo, para quem tem cavalo, na minha opinião, as pessoas que nos são importantes são, e nessa ordem: tratador, administrador da hípica, veterinário, treinador, motorista do caminhão, outros.